Skip to main content

As Diferenças entre Avaliação Formativa e Somativa

Seja você administrador, supervisor ou professor, você já ouviu falar em avaliações formativas e somativas, certo?

Ambos são partes essenciais de qualquer mapa curricular. Mas o que eles realmente querem dizer? Que tipo de estratégia de avaliação você deve escolher para o seu ensino? 

Tudo depende das enormes diferenças entre eles. Então, quais são exatamente essas diferenças?

Continue lendo o nosso post de hoje e descubra!

Somativo x formativo: qual é a diferença no final?

A primeira diferença é, obviamente, a sua definição.

Avaliação somativa 

Tem como objetivo avaliar a aprendizagem dos alunos e o desempenho acadêmico no final de um período, ano ou semestre, comparando-o com um padrão universal ou uma referência escolar. 

As avaliações somativas geralmente têm um valor alto, ocorrem sob condições controladas, portanto, têm mais visibilidade.

Veja alguns exemplos:

  • Exames no final de semestre ou intermediários;
  • Trabalho cumulativo por um período prolongado, como um projeto final ou portfólio;
  • Testes no final de uma unidade ou capítulo.

Avaliação formativa 

É mais diagnóstica do que avaliativa. É usado para monitorar o estilo e a capacidade de aprendizagem dos alunos, para fornecer feedback contínuo e permitir que os educadores melhorem e ajustem seus métodos de ensino, e que os alunos melhorem seu aprendizado.

Exemplos de avaliação formativa:

  • Testes improvisados​​.
  • Avaliações comparativas curtas para ver o desempenho dos alunos em relação aos colegas.
  • Trabalhos de ‘um minuto’ sobre um assunto específico.
  • Pesquisas silenciosas em sala de aula.

Agora que você sabe a diferença, vamos às finalidades!

Para entender a diferença entre essas duas formas de avaliação, é importante também, entender sua finalidade!

O objetivo da avaliação formativa é entender o que o aluno precisa aprender, ou onde há espaço para melhorias.

E a finalidade da avaliação somativa é ajudar a descobrir até que ponto o aluno entendeu ou demonstrou as habilidades ensinadas.

Observe o tempo nessas duas definições. Formativo é sobre o futuro e somativo é sobre o passado.

São necessárias abordagens formativas e somativas para estabelecer parâmetros de referência, medir o progresso da aprendizagem e avaliar as habilidades individuais dos alunos.

Afinal, qual é a melhor? formativas ou somativas?

Isso depende dos seus objetivos. Se você está perguntando se seus alunos do terceiro ano, por exemplo, dominaram o aprendizado desse série antes de avançar para a quarta série — Isso é somativo.

Agora, se você está perguntando até que ponto seus alunos entendem um conceito — digamos, de multiplicação — para decidir se você precisa reeducá-lo antes de seguir em frente — Isso é formativo

É para isso que as avaliações intermediárias são projetadas.

Obtendo o equilíbrio certo

Todos os tipos de avaliação somativa e avaliação formativa são essenciais para avaliar o progresso do aluno. Ambos contribuem para um melhor resultado da aprendizagem.

Os professores devem, no entanto, concentrar energia e recursos na avaliação formativa quanto sumativa, apesar da falta de peso ou responsabilidade na primeira. 

Tecer um com o outro, melhorará muito a capacidade de um aluno se preparar para os exames de final de semestre ou outras formas de teste padronizado. 

Isso contribui para níveis superiores de escolaridade e garante uma impressão mais positiva da sua instituição.

Esperamos que você tenha gostado do nosso tema de hoje!

Se achou interessante, que tal compartilhá-lo nas suas redes sociais? 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *